INFLUÊNCIA DE DADOS TOPOBATIMÉTRICOS DETALHADOS NA MODELAGEM HIDRODINÂMICA DE CANAIS: UHE TUCURUÍ – PA

RESUMO

A potencialidade de recursos hídricos brasileira faz do represamento de cursos d’água uma prática comum no território nacional. Embora agreguem diversos benefícios à sociedade, as barragens devemconstituir objeto de estudo e avaliação crítica, devido ao risco associadoa uma eventual ruptura e suas consequências catastróficas ao vale ajusante. A análise destas obras pode ser realizada mediante o uso de modelagem hidráulica. Esta é uma importante ferramenta nos estudos de rompimentos de barragens, uma vez que permite simular cenários de ruptura, reproduzindo o comportamento do fluxo d’água. A qualidade do estudo, contudo, está atrelada a fatores primordiais, como a geometria do canal. Neste contexto, o presente trabalho tem por objetivo avaliar a importância de dados topobatimétricos detalhados na modelagem hidrodinâmica de canais, utilizando por base o barramento da UHE Tucuruí, município de Tucuruí/PA. Para tanto, fez-se uso de dois cenários de análise, cada qual atrelados a duas hipóteses de estudo. O primeiro cenário foi delimitado para a situação real do canal, utilizando dados topobatimétricos de alta resolução, enquanto o segundo cenário foi projetado para uma situação com carência de informações.

Para a simulação hidrodinâmica utilizou-se o software HEC-RAS 4.1, enquanto a análise estatística dos resultados gerados pelos modelos foi processada com o auxílio de planilhas eletrônicas Excel 2003 e do programa Action 2.9. Com base nos resultados obtidos, constatou-se que a metodologia utilizada para a delimitação da calha fluvial em situação de carência de dados mostrou-se pouco conservadora, tendo em vista sua tendência a subestimar os valores de nível d’água do rio Tocantins. 

Em resumo, a simplificação das seções topobatimétricas no trechoanalisado gerou resultados inferiores ao esperado para o canal, tanto na hipótese conservadora quanto na extrema. Desta forma, a escolha por sua aplicação deve ser feita com parcimônia, atentando-se para o tipo de estudo a ser desenvolvido.

Palavras-chave: Segurança de barragens, modelagem hidrodinâmica,
geometria do canal.

Para acessar o artigo na íntegra acesse:

http://bit.ly/2bnPjCe

O presente estudo trata-se do trabalho de conclusão de curso de Juliana D’Amoreira Lopes, Engenheira Sanitarista e Ambiental integrante da equipe da Fractal Engenharia.

Metodologia probabilística de previsão de brecha de ruptura de barragens

A Fractal Engenharia focada em inovação e excelência, apresenta o desenvolvimento do trabalho de pesquisa aplicada em Ruptura de Barragens. Neste estudo empregou-se uma metodologia probabilística de previsão de brecha de ruptura de barragens. Tal trabalho possibilitou o cálculo do risco de ocorrência de uma determinada cota de inundação devido ao rompimento de uma barragem. O trabalho vem ao encontro do estado da arte, segundo recomendações da FERC (Risk-Informed Decision Making – Chapter 21).

Atualmente não é possível calcular o risco de cotas de inundação provenientes de uma cheia induzida por rompimento de barragens, empregando as técnicas recomendadas nos manuais de segurança de barragens. Desta forma, os mapas de inundação atuais são apenas uma figura do que seria um cenário catastrófico. Como agir neste caso? Quão provável é a inundação?

Com este trabalho inovador, as questões acima podem ser respondidas de forma mais assertiva. O trabalho representa um avanço, o qual possibilita um melhor entendimento do risco da ocorrência de cotas de inundação devido à ruptura de uma barragem. Seguradores, gestores e fiscalizadores agora podem planejar-se melhor financeiramente e estrategicamente, dispondo de respostas mais efetivas num momento de crise.

O presente estudo trata-se da dissertação de mestrado do Engº Pedro Guilherme de Lara, especialista em estudos de ruptura de barragens e análise de risco em segurança de barragens na Fractal Engenharia.

A Fractal Engenharia é uma empresa compromissada com o estado da arte e vem investindo na qualificação de sua equipe, de forma a atender a desafios e a buscar soluções economicamente atrativas de seus clientes.

Para acessar o artigo na íntegra acesse:

https://www.researchgate.net/publication/304011831_Metodologia_probabilistica_de_previsao_de_brecha_de_ruptura_de_barragensProbabilistic_approach_to_dam_breach_modeling

Estudo de risco e Dam Break

A Fractal Engenharia elaborou em março de 2015 análise de risco de rompimento hipotético para uma hidrelétrica localizada no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Para a elaboração dos mapas de inundação causados pelo rompimento hipotético da barragem em diferentes cenários foi utilizado o software HEC-RAS. Foram simuladas os rompimento nos cenários de sunny-day e cheia milenar.

Neste estudo foram considerados os estudos de vazão máxima, hidrogramas de cheia de projeto, dimensionamento hidráulico do vertedouro, riscos adotados para o projeto, probabilidade de ocorrência de eventos extremos, entre outras questões.

Como medida mitigadora foi elaborado um Plano de Ação de Emergência – PAE com atenção especial para a Zona de Auto Salvamento, onde o empreendedor precisa comunicar a população em casos de incidentes com o barramento.

Coordenação na Implantação da Sala de Situação no Município de Guaratinguetá

Fractal Engenharia faz a coordenação técnica da Primeira Sala de Situação Municipal de Monitoramento Hidrológico para prevenção de desastres do Estado de São Paulo

A empresa Fractal Engenharia foi contratada pela ONG Vale Verde para realizar a coordenação técnica do projeto “Sala de Situação para monitoramento hidrológico e sistema de previsão e alerta de cheias com estação linimétrica para o município de Guaratinguetá”. O projeto visa apresentar, em tempo real, as condições de nível e vazão do rio, monitorando as inundações na área urbana do município.

A Sala de Situação foi entregue no dia 27/11/2013 e sua estruturação contou com a parceria da Prefeitura de Guaratinguetá, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, com a ONG Vale Verde de São José dos Campos, Ceivap e Agevap, contando com o apoio da Caixa Econômica Federal.

Assinado em maio de 2012, o projeto teve o valor de R$ 392 mil e é o primeiro passo para o desenvolvimento de um sistema municipal de prevenção de desastres. Além da instalação da estação de medição de nível do rio (linimétrica) e da sala propriamente dita, o projeto também propôs o estabelecimento de instrumentos urbanísticos de regulação da ocupação espacial nas bacias com base na identificação desses padrões de ocupação.

O projeto é um marco para a história do Município de Guaratinguetá e do Estado de São Paulo, por ser o primeiro município deste Estado a possuir uma Sala de Situação para Prevenção de Inundações. Este piloto deverá servir como exemplo para demais projetos que venham a ser desenvolvidos em todo o restante do território nacional.

O engenheiro sanitarista e ambiental Henrique Lucini Rocha, coordenador técnico deste projeto pela Fractal Engenharia, afirma se sentir realizado com o avanço dos trabalhos relacionados a Desastres Naturais no Brasil, sobretudo nos investimentos na área de prevenção. “Aquisição de novos equipamentos, a implantação de sistemas como o de supervisórios e de controle para a sala de situação, de modelagem hidrológica, hidráulica e climatológica para previsão de eventos extremos, de gestão de ativos e o desenvolvimento de um programa municipal de educação ambiental, são algumas das possibilidades de melhoria e sequencia neste projeto”, afirma Rocha.

Eventos extremos sempre irão ocorrer, cabe a atual e futura geração, estudar, assimilar, planejar e agir para evitar que estes eventos transformem-se em desastres.

Fractal Engenharia Coordena Implantação do Sistema de Alerta do Estado do Acre

A Fractal Engenharia foi responsável pela coordenação técnica da implantação da rede hidrométrica telemétrica que irá compor o sistema de alerta do Estado do Acre. As atividades começaram em novembro de 2013 e finalizaram em agosto de 2014.
Foram realizadas diversas campanhas, coordenando duas equipes de campo. Nessas campanhas foram feitas as instalações e manutenções de 35 estações hidrometeorológicas. Dessas estações, 28 são fluviométricas automáticas telemétricas; 4 são pluviométricas automáticas telemétricas e 3 são fluviométricas automáticas.
Com a implantação destas estações, rios importantes como o Juruá, Purus, Tarauacá – Envira e Acre tem agora informações de hora a hora de suas Cotas nos rios e Precipitação de chuva no local da implantação das estações. Estas informações poderão ser utilizadas para criação e implementação de modelos de previsão, como o SPEHC.